e mais uma vez, as perdas…

20/04/2009 at 14:59 7 comentários

os domingos, que ultimamente são solitários, têm me mostrado filmes sobre perdas, como foi na semana passada… neste último, não diferente, foi um que não merece que eu divulgue o nome, por ter achado estranho, e, não apreciado de um todo, não farei divulgação gratuita… mas a verdade não será negada: ele me fez pensar (mais uma vez) sobre as perdas constantes das quais passamos em nossas vidas…

talvez sobre as piores perdas: as que deixamos de ganhar… as que, por tomarmos certas decisões, não sabemos se seria melhor caso tivéssemos ido pelo outro caminho, seja ele o mais curto ou o mais longo… quase nunca saberemos, salvo casos em que o óbvio ou motivos posteriores nos mostram como seria…

mas a questão aqui não é sobre o exemplo anterior, e sim de quando não fazemos idéia do que estaria por vir… ‘fiz bem em pedir demissão?’, ‘deveria ter dado uma segunda chance?’, ‘será que se eu tivesse aceitado aquele emprego seria diferente?’, ‘e se eu tivesse escolhido outra cadeira?’…

algumas dessas respostas deveriam vir com um ponto de ironia no final…

em um texto pouco inspirado, alertei os leitores a tomar cuidado com o que desejam, pois, se pararmos para analizar, quase sempre, se torna realidade… pode não ter a mesma velocidade que queremos (porém, às vezes, é mais rápido que o esperado), mas vêm… só o fato de nos movimentarmos, já estamos fazendo com que a coisa aconteça… então, mais uma vez, tenham cuidado!

e, como esta é uma verdade não-universal, não atenhamo-nos a ela, e sim, ao que seria mais lúdico…

quando falo do que deixamos de ganhar e para atentarmos ao imaginário, não digo das coisinhas pequenas ou das pessoas que passaram pela nossa vida e que não fizeram, fazem ou farão a menor diferença (é bom deixar claro), falo do que realmente importaria… daquele pedido de desculpa que não fizemos, daquelas explicações que deixamos para depois, daquele encontro que ficamos de fazer, ou lugar que iríamos e nunca fomos… mais uma vez somos vítimas dos caprichos mundano, de orgulho desnecessário e da falta de coragem… vamos fingir que é fácil…

deixamos de ganhar, acredito assim, por um simples (ou não) motivo: medo! ora do julgamento alheio, ora de ser feliz… qual seria o medo de ser feliz? não sei… mas, temos esse medo… um medo de (não) dar certo, um medo de não estar preparado, conclusão disso: (e, de novo) deixamos de ganhar…

minha sugestão é: vamos ficar nus! vamos nos despir das formalidades bobas, vamos dizer que amamos, vamos dizer que queremos, vamos nos livrar das amarras do preconceito, vamos botar a cara a tapa, vamos fazer, e, como diria, sabiamente, um dos meus grandes inspiradores, Chico Buarque: ‘façamos, vamos amar!’ (não é promiscuidade, hein?!)

vamos parar de deixar de ganhar… isso fica pra trás… vamos levar a culpa daquilo que efetivamente fizemos, e sofrer com ESSAS consequências… o que não fizemos, ou faremos ou ficou pra trás… pensem nisso… bom, conforme falei na semana passada, a minha parte eu já estou fazendo…

OBS.: Eu me senti uma espécie de Martha Medeiros ao escrever este texto, mas eu precisava fazê-lo, e gosto do trabalho da moça.


©Todos os direitos reservados

Anúncios

Entry filed under: Contos / Crônicas. Tags: , , , , , .

ponto de ironia(!) Parce qu’était lui, parce qu’était moi

7 Comentários Add your own

  • 1. meutempoehquando  |  20/04/2009 às 15:54

    Hum…Acho que ouvi essa conversa outro dia. rs
    Concordo! Vamos nos despir dessas coisas miúdas que não nos levam a lugar algum.

    obs: claro que não me importo. Vou tentar fazer o mesmo. rs

    beijos

  • 2. gianna  |  24/04/2009 às 02:50

    hum, gosto da marta.
    mas seu texto é bem mais legal, muita coisa p pensar….
    ou então tem mais a minha cara, ou a cara das minhas reflexões.. rsrsrsrsr

  • 3. Monica  |  19/08/2009 às 13:58

    Todo mundo nu? Uhuuuuuuuuu!!!!
    Mas com a alma coberta de realizações e livre de medíocres cobranças!
    Bjok!!!

  • […] falta de coragem, acredito que não seja o caso, a [minha] história está aí, justamente, para provar que isso não é algo que me impede ir adiante, não menos verdade, de fazer o que acredito seja o certo, mesmo que fatores posteriores provem que não era o momento certo (como disse aqui)… […]

  • […] 11/09/2009 e ao som de ‘máscara negra‘, que ficou a semana inteira inteira revezando com ‘namorar‘, que escrevo, mais uma vez aos leitores, a tomar cuidado com o que desejam! […]

  • 6. gianna  |  12/09/2009 às 20:02

    ai,q bueno….

  • 7. isoca  |  13/03/2010 às 12:05

    Nossa! Cabe mesmo certinho com a conversa de ontem!
    Nem parece que eu já li seu blog inteirinho, é reler e se surpreender!

    Bacana, bacana!

    É bom, bem bom, muito bom!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Coração de Poeta


sou só um mensageiro, um profeta, contador de estórias: coração de poeta

twitter…

Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

flickr...

esperança…


%d blogueiros gostam disto: